Nem eu tinha vontade de ler isto...

É o último dia do ano...e eu ainda tenho montes de coisas para fazer antes de sair de casa, mas achei importante parar, render-me à minha incontornável preguiça, e como ser langão que sou, fingir que estou a pensar neste ano que passou...às tantas deparei-me: Bem, já que o teu objectivo é pensares no ano que passou, e de facto não estás a fazer nada, porque não pensares mesmo? (Acho incrível esta vozinha cá dentro que mostra muita mais mauturidade que a que eu própria tenho).

Quando olho para este blog penso que sou das pessoas mais dramáticas e nostálgicas que algum dia vou conhecer, que foi um ano mesmo difícil, talvez o mais difícil até hoje. Não há cá culpas nem desculpas, mas se realmente queremos crescer a sério não podemos ter a vida cor-de-rosa com que sonhamos. Isto é, seria óptimo termos essa vida, no entanto ela não teria vontade nenhuma.

Nunca parei tantas vezes para pensar. Provávelmente nunca tinha tido esta necessidade, é algo que custa mas que vale a pena. "Só estás me paz com os outros quando estás em paz contigo" alguém me disse...e sim, é verdade. Descobri que ando numa paz inquieta, mas ao menos tenho paz. E paz inquieta porquê? Porque enquanto não nos conhecermos vamos andar em busca, e o andar em busca não é mau...antes pelo contrário. Então aprendi que há muita coisa em mim em que eu posso trabalhar para poder ser mais para os outros, e são coisas simples do dia-a-dia, pequenas mas que custam porque já estão muito cravadas em mim.

Eu tenho muita vontade de fazer mais, de saber mais e agradeço a Deus as pessoas espectaculares que me pôs no caminho este ano, e também aquelas que me tirou porque não me deixavam avançar. Cheguei a uma fase em que quero ficar realmente com o melhor de cada um, porque o pior já tenho o meu e não é fácil de lidar :)

Afinal porque dizes que foi um ano mau? Porque choraste? Oh rapariga, choras todos os anos (choras com qualquer coisa). Porque andaste triste? Então, e o andar triste não faz parte da vida? Porque achas-te que não tinhas força? Mas tiveste, e tiveste mais do que aquela que achavas que tinhas :)

Só posso dizer que vou continuar a tentar ser eu em cada pequena coisa...
Aqui fica um poema que gosto muito :)

O segredo é amar. Amar a Vida
com tudo o que há de bom e mau em nós.
Amar a hora breve e apetecida,
ouvir os sons em cada voz
e ver todos os céus em cada olhar.

Amar por mil razões e sem razão.
Amar, só por amar,
com os nervos, o sangue, o coração.
viver em cada instante a eternidade
e ver, na própria sombra, claridade.


O segredo é amar, mas amar com prazer,
sem limites, fronteiras, horizonte.
Beber em cada fonte,
florir em cada flor,
nascer em cada ninho,
sorver a terra inteira como o vinho.

Amar o ramo em flor que há-de nascer,
de cada obscura tímida raiz.
Amar em cada pedra, em cada ser,
S. Francisco de Assis.

Amar o tronco, a folha verde,
amar cada alegria, cada mágoa,
pois um beijo de amor jamais se perde
e cedo refloresce em pão, em água!

Fernanda de Castro

Até para o ano :)

Rita

Dna. Glória :)

Hoje ía eu na minha vida meio perdida a ouvir as músicas deprimentes de sempre, quando ao fundo vejo a dona Glória. A dona Glória é uma senhora que foi connosco a Taizé no 1º ano e que fala pelos cotovelos. Quando chegámos a Paris a primeira coisa que fez foi pôr-se em cima de um banco, abrir os braços e gritar: ESTOU NA FRANÇA, ESTOU NA TORRE EIFFEL (Oléee!).
Então eu, como estava sem paciência pensei: Ui! Vem lá a dona Glória, podes passar por ela a olhar em frente e assim não perdes um tempão a falar (quer dizer) a ouvi-la; Sim, foi o lado mau da Rita que pensou isto...mas...naqueles instantes em já estava tão perto resolvi mudar de ideias. Tirei os phones dos ouvidos, e disse "Olá dona Glória!", e ela quando me viu, parou e deu-me um abraço daqueles mesmo quentinhos e...pôs-se a falar... contou que tinha um primo no hospital que tinha tido um aneurisma e que vinha de lá muito triste. "Agora quando o meu marido se queixar a dizer que tem dores nos joelhos eu vou-lhe dizer: Cala-te homem! Nós não temos problemas nenhuns comparados com os de muita gente!", então eu respondi aquelas coisas que toda a gente responde: Sim, é verdade, os nossos problemas comparados aos de muita gente não são nada;....de repente uma vozinha GRITOU cá dentro: ISTO É PARA TI MENINA RITA! ESTÁS A OUVIR? Para que é que andas tão em baixo com coisas estúpidas? Triste era não teres uma mão para poder desenhar, ou olhos para ver! PARVA!; e pior..."Tu ías passar por ela sem lhe falares! Se passasses por ela sem lhe falares não tinhas tido um abraço destes!"...
E mais uma vez, esta situação tão normal, me fez pensar que perdemos tantas vezes oportunidades por tantos motivos: falta de paciência ou preguiça... Fechamos a porta, sem querer saber o que está por trás...
Mais uma coisa para a lista de "mudanças que tenho que fazer em mim".

(Des)encontros

Hoje imaginei-me naquela varanda da casa da Tocha. A varanda com o chão de madeira que dava directamente para a horta e para os canteiros que ao longo dos anos fui tentado construir. Pus-me a pensar que se me sentasse ali por umas horas, aquele chão me podia contar dezenas e dezenas de histórias que vivi, umas que me lembro muito bem, outras que seriam novidade (mesmo tendo-as vivido).

Então, lembrei-me da avó...e das tardes que passei ali com ela. A avó descascava o feijão e eu sentava-me no chão a pintar qualquer coisa. Muitas vezes a mãe sentava-se ao lado a ler (a mãe gosta muito de ler) e o avô (com aquele chapéu branco) chegava e contava o que tinha andado a descobrir. E assim passei os melhores anos da minha vida... Naquela varanda, naquele sitio. À medida que fui crescendo deixei de gostar de ir para lá: "Não quero ir! Vou perder o fim-de-semana!"; Mas...agora que olho, penso que tudo fez parte. São bocadinhos da minha história que me fizeram e vão continuar a fazer a pessoa que me torn(ar)ei.

Enquanto pensava nisto tudo, sentia o coração quente por ser tão feliz, com o que tive e tenho, e olhava para as pessoas à minha volta e reparava: Toda esta gente tem uma história, que nalgum momento da vida passou a fazer um bocadinho parte da minha. Não sei porquê! Com muitas delas talvez nunca venha a falar, mas é engraçado perceber o que nos leva para um lugar onde vamos ao encontro de outras histórias (por vezes tão diferentes). Há momentos em que as histórias são como aqueles carris que têm duas direcções (os tais encontros e desencontros), e hoje faz um ano em que a minha carruagem cheia de tanta coisa foi para um lado, e a carruagem de outra pessoa foi para outro completamente distinto. Não foi fácil, mas ao fim deste tempo posso dizer que o caminho melhor não é sempre o mais fácil ou o mais confortável. Aprendi que este caminho que fiz foi muito importante, e guardo comigo as dezenas histórias de tanto tempo de partilha. Quero agradecer a Deus por ter conhecido outra história que em tempos completou a minha, mas que agora faz parte de um passado às vezes bonito, outras pouco risonho. Quero agradecer todas as histórias que têm vindo a enriquecer a minha (isto é em especial para ti Guida :] ).

Se me sentasse no chão daquela varanda, podia contar-lhe muitas histórias que ela ainda não sabe, mas que me ajudariam a completar o livro por escrever que mora no meu coração.

Rita

Diálogos

Hoje...fiquei a perceber que realmente temos sempre tempo para o que vale a pena, ou mesmo para o que não vale a pena mas que nós até achamos que vale...
É importante ir contra a corrente e deixarmos de fazer (nem que seja por um dia) aquilo que todos esperam de nós e aí entram as pequenas "loucuras"...(gritar alto no meio do DV, ou atirarmo-nos ao rio).
Nem sempre perdemos tempo quando estamos convencidos disso, estamos simplesmente a ganhá-lo em ouvir os outros (hoje ganhei muito!). Não há coicidencias, há Deus...
Não faz mal se ainda não sei bem o que ver no futuro, sei que estou a caminhar para algum lado, e sinto que está certo o lado para o qual eu caminho. As quase certezas vêm aos poucos... É bom quando descobrimos que estamos preparados para subir no elevador para o andar acima.
Só tu sentes e só tu podes agir de acordo com o que sentes...


Isto não faz sentido?
Faz...faz todo o sentido.
Mas tem mesmo que fazer?
É confuso?
É...mas ao mesmo tempo tão perceptível!

Obrigada Mário

Outra margem de mim

"É muito tempo a desejar o tempo
De mudar ventos, levantar marés
É muita vida a desejar o alento
Que faz saber ao certo quem és

É funda a toca onde te escondes tanto
Tem a distância entre o silêncio e a voz
A vida rasga bocadinhos gastos do mundo
Vai descascando até chegar a nós

São muitos dias a perder em vão
Sem nunca entrar dentro do labirinto
É muita vida a não ser o que tu sentes
A planar sobre o que eu sinto"

Mafalda Veiga

Saudades e confusões

Como é que sentimos? Afinal onde se guarda o que sentimos?
Andamos sempre numa roda viva, cheios de trabalhos, cheios de apelos, cheios de dias...
Já não temos tempo para uma cafézada com conversas daquelas que guardamos num dos brilhos do olhar.
Começamos o dia a correr, adormecemos a correr para acordarmos a correr...Ficamos sem paciência, falamos torto para as pessoas que mais gostamos...pedimos desculpa, e passa.
Casa...quase nem a vejo...tenho saudades de casa. Tenho saudades da manta nas pernas e das vezes em que ponho os pés por baixo das pernas do mano para os aquecer, enquanto vemos um filme qualquer.
É dificil viver...viver para mim. Sim, mais de metade das coisas que faço nos meus dias são para mim directa ou indirectamente, mas não soam a coisas que me fazem crescer, soam a algo mecânico, soam a rotina. Sinto falta de um espaço para parar, sinto falta de partilhar, de dar o que sou. Só dando o que somos podemos receber o que os outros são.
Sinto falta de poder partir, e realizar.
Sinto falta de voar...de me fazer à estrada...

Cântico Negro

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!
"Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
(...)
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?
(...)
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!"

José Régio

A todos os meus Amigos

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.

A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor. Eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ...

A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.

(...) Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários. De como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, trêmulamente construí, e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida. Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo! Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo. Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.

Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer ...Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos! A gente não faz amigos, reconhece-os. "

Vinícius de Moraes

Foi um texto que encontrei para vos explicar algumas "falhas" em manter as minhas amizades (a ti Mariana, e a ti Perdigão). Vocês caminham comigo, cá dentro, todos os dias... Obrigada!
Obrigada a todos os que já se tornaram presentes físicamente, e estão sempre prontos a dar-me a mão e o abraço.

Caminhos

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos"

Fernando Pessoa

É o tempo que devemos usar para crescer, abandonando o que nos consome e o que simplesmente já não pode fazer parte. Tenho aprendido aos poucos de abdicar daquilo a que chamava "meu", mas que no fundo não era (e não, não é fácil, mas não é impossível).

É sempre mais seguro ir por aqueles caminhos que já conhecemos, mas lá está, chegamos sempre aos mesmos lugares, há alturas em que batemos com a porta e dizemos: BASTA! não preciso mais disto; E então avançamos...mas...para onde? Acho que não sabemos para onde, só para quê.

EU caminho para o que me faz feliz, e não sei quanto tempo dura esta travessia...talvez demore a vida toda a construir a ponte entre nós e o Céu, entre mim e Ele. E tenho desanimado em algumas alturas...só que nessas alturas, vejo que não estou sozinha nesta construcção díficil. Sei é que não quero ficar à margem de mim, porque um dia detestaria olhar para trás e sentir que não vivi.


"Viver é arriscar a perder o pé por algum tempo, não se arriscar é perder a vida"...

Olha dentro de ti

Há sonhos muito grandes, que se concretizam em pequenos momentos
E pequenos momentos que se tornam grandes no sentir.
Há palavras que quando ditas nos enchem o peito e nos põe um sorriso na cara.
E aqueles abraços confortáveis que achamos que vão estar sempre no nosso caminho.
Há aquelas noitadas em casa de amigos
Há aquelas pessoas que se lembram de nós passados muitos anos de distância.
Há pessoas que gostamos de olhar nos olhos, e ver-lhes a alma por dentro
E pessoas que quando nos olham nos vêem fundo, mais fundo do que nós pensavamos que nos pudessem conseguir.
Há também gente que mal conhecemos, mas que tocam dentro de nós
E pessoas às quais nós tocamos sem sabermos como.
Há dias para viver
Outros para lembrarmos o que vivemos
E dias para sonhar
E outros para concretizar o que sonhamos
E dias em que abdicamos do que não é essencial
E conseguimos voar
Uma das piores coisas da vida, é viver sem projectos, sem algo que nos puxe e mova a sermos melhores...Coisas que me intrigam...quando alguém nos faz bem, o porquê de não mexer um dedo que seja, para que essa pessoa não saia do nosso horizonte? Porquê tanta dificuldade em lutar?(estou um bocado farta da palavra lutar...) Em fazer o melhor para nós?
Outra coisa que me intriga...as mudanças...as mudanças de valores, de maneiras de estar. Não as boas mudanças que nos constroem como pessoas, mas aquelas mudanças que nos afundam e nos tornam pessoas frias e distantes do mundo, em que acabamos por afastar os que mais bem nos querem.
As frustrações, fazem parte...As lágrimas também...Se bem que as lágrimas são uma expressão.
As conquistas...essas sabem bem quando estamos rodeados de quem nos ama. Quem gosta de nós sofre connosco, e alegra-se com as nossas vitórias. São sentimentos puros, vindos do mais fundo que tem o coração, e que brotam em abraços e sorrisos. É bom vencer um obstáculo, mas se o vencermos e não pudermos partilhar com ninguém, quanto mede a nossa alegria?...

Só me apetecia escrever..só isso...mesmo que não faça muito sentido...

"A minha felicidade passava por..."

Na última missa do CUMN a que fui, alguém partilhava:
"Aos 14 anos, a minha felicidade estava em entrar para medicina. Aos 18, a minha felicidade passava por conseguir acabar o curso de medicina. Aos 23 a minha felicidade passava por conseguir ter boa nota, para fazer a especialidade. Aos 30 a minha felicidade passava por arranjar trabalho, arranjar um namorado, casar, ter casa, ter uma família, ter filhos.... e depois, consegui isso tudo...cheguei aos 40 e sentia-me vazia, mas porquê? Afinal tinha tudo o que queria...Então descobri que o curso, a especialidade, o marido, os filhos, a casa, o emprego, não tinham sido possiveis se não tivesse Deus a ajudar-me a construir tudo isto. Então vi, o quão a minha vida vazia, estava! E hoje quero agradecer, porque aos 40 anos encontrei o meu sentido na vida, e sobretudo a minha felicidade"

Bem, estamos no final da semana, e todos os dias me tenho lembrado destas palavras da Guida. Realmente foi bonito de ouvir, de ouvir, mas também de guardar...cá dentro, fundo onde não se apaga.
Pensei em mim, e se a minha vida não tivesse este meu Amigo presente sempre, sempre!, também era vazia e sem sentido. Nem todos O sentem...eu sinto! E sei que está, e que é Ele que me ampara as quedas para não me magoar tanto!


Obrigada JC, és mesmo um tipo porreiro :)

História sem nome


Às vezes abres a porta do teu coração, mas esqueces-te de limpar os pés à entrada. E esqueces-te que fora do teu coração estava um tempo feio, chuvoso, e cheio de trovoada. Então, entras, tiras a gabardina, desenrolas os cachecol e sentas-te muito cansado. Por fim, num gesto lento e preguiçoso tiras as botas, que traziam agarradas montes de pedrinhas, sujidade e até uma pastilha elástica que tinhas pisado algures... secas-te no teu coração, e dormes um longo sono reparador. Quando finalmente acordas, olhas à tua volta...tens o coração desarrumado. As roupas espalhadas pelo chão, o copo de leite que te aqueceu, a janela aberta por onde entra o vento frio... Mas pior, tens o teu coração sujo daquelas pedrinhas que vinham agarradas às tuas botas, e tens o coração molhado da água da chuva. O medo e a insegurança, estão colados à pastilha que também trouxeste lá de fora... E pensas "Era melhor eu limpar o meu coração", só que...tens que feito este percurso todos os dias. Os móveis têm muito pó, o chão a cada dia que passa está mais encharcado. Tudo isto, te torna o coração pesado...tão pesado que tens dificuldade em levantar-te e começar a arrumá-lo e limpá-lo, e a pô-lo bonito outra vez. Sem forças, começas a chorar, e choras choras, e molhas ainda mais o teu coração que está tão cheio de coisas que não valem a pena. De repente, sentes uma força que te vem não sabes de onde, mas que te levanta e te aquece a alma, e começas...(devagarinho, muito devagarinho)...a arrumar e a limpar tudo.

Quando finalmente acabas, olhas para trás e pensas "Nunca mais quero ter o coração pesado"...então agora, cabe-te a ti ir tirando o que te suja o coração.

Tu escolhes...Tu podes escolher...Só tu tens o dever de escolher!´

Dá sempre mais trabalho arrumar o que temos cá dentro, mas dói sempre mais quando o que temos cá dentro se torna pesado...

Rita

Diante dos outros

"Vive para os outros e, enquanto depender de ti, procura que estes vivam mais felizes.
Aprende humildemente o SERVIÇO de quem está à tua volta, mas não te faças escavo de ninguém. Tudo o que fizeres fá-lo livremente e por amor e nunca por sujeitção ou sentimento de inferioridade.
Conhece bem as tuas carências e necessidades mas não deixes que o mundo se feche em torno de ti próprio, seria um mundo demasiado pequeno e solitário.
Olha para quem vive perto de ti como se tivesse sido o próprio Deus a confiar-te responsabilidades (...)
Sê verdadeiro em tudo o que fizeres, aprenderás a liberdade de ter uma cara só e de nada ter de esconder de ninguém. Sê fiel a ti próprio em todas as situações e diante de todas as pessoas.
ACEITA O DESAFIO DE CONSTRUIR PACIENTEMENTE, NO MUNDO REAL, RELAÇÕES DE AFECTIVIDADE E DE AMOR. Por vezes é mais difícil, mas os frutos são infinitamente maiores. Pede perdão a Deus se a violência da tua vida fez endurecer o teu coração.
(...)
Não te deixes vencer pelo mal, vence antes o mal com o bem"


Nuno Tovar de Lemos, in o "O princípe e a Lavadeira"

Portas Abertas

Quando peguei pela primeira vez no programa do CUMN, vi uma data de acontecimentos que só pelo nome me chamaram à atenção. Um deles, foi o "Portas Abertas" e decidi ir para experimentar!
Uma das coisas que admiro no CUMN, é a maneira como falamos uns com os outros, isto é, a facilidade de manter uma conversa, o sorriso fácil, a partilha de experiências, o criar relação. É principalmente com esse espírito que recordo essa noite, porque como sempre, houve toda esta facilidade em nos relacionarmos e nos darmos a conhecer. Quando parei, e dei por mim tão à vontade a falar com pessoas que não conheço muito bem, pensei que o nome dado a esta noite não podia fazer mais sentido: "Portas Abertas" e isso levou-me a pensar..."De portas abertas, para o novo ano, para mim, para Deus e principalmente para os outros", e como é importante termos abertas as portas do nosso coração não só a tudo o que queremos receber dos outros, mas abertas para deixar passar tudo o que temos a dar aos outros. Porque quando fechamos as portas, criamos barreiras e não conseguimos ser nós próprios.
Foi uma noite cheia de cantorias, guitarradas, com pessoas divertidas a animar, com músicas que me fez sentir em casa e fez ver que casa é onde nos sentimos bem! Para acabar a noite: fado (o lindo fado de Coimbra!), que nos enche a alma.
Tudo isto me fez ver, que valeu a pena ter dado um pouco do meu tempo (o tal abrir as portas) para criar laços, e me fez pensar que quando me dou a Deus, Ele ajuda-me a dar-me aos outros.
Quando hoje, recordo o "Portas Abertas" posso dizer: Sim! Foi uma noite linda, quentinha para o coração.

Rita

Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida


Não é que hoje tenha sido dos melhores dias para mim (está a querer chover e tudo, e eu não sou lá grande amiga de chuva), no entanto, vinha a ouvir o meu MP3 e calhou-me esta música e parei para pensar na letra...

"Sente a chuva na tua pele, mais ninguém pode senti-la por ti
Ninguém pode falar por ti
Vive a tua vida de braços abertos

É HOJE que começa a TUA HISTÓRIA

O resto continua por escrever"

Viver de braços abertos significa acolher o que os outros têm para nos dar, e ao mesmo tempo saber escolher o que é bom e nos constrói. Ninguém pode falar por nós, nem vamos nunca encontrar uma pessoa que pense exactamente da mesma maneira.
Se estivermos dispostos a sentir (por muito que doa) então poderemos afirmar "Sim! Fui eu que vivi isto, fui eu que fui capaz de crescer, porque fui capaz de viver por mim!"
Quando um dia, for capaz de acordar e pensar "Hoje começa aqui a tua história" de certeza que o espírito com que vou viver esse dia será diferente.
O resto continua por escrever...Então para quê perder um dia que pode ser feliz?

:)

Novo ano, novas almas

Hoje foi a grande abertura do ano, para o ASJ. Já tinha saudades de uma dia assim...um dia que me enchesse a alma e o coração...um dia à parte dos dias, nos mesmos sítios, mas num mundo diferente (dentro do mesmo mundo). Quando Deus anda lá no meio de nós tudo muda. Deus está em cada adolescente, em cada jovem...e é bonito ver como se manifesta através das expressões de cada um, da entrega de cada um...Ali todos somos o que somos realmente, não precisamos de ser nada mais do que a nossa essência. Ninguém espera mais de nós do que aquilo que podemos dar...
Gostava muito que todos eles chegassem mais longe...e quisessem cada vez mais conhecer Jesus, porque tal como eu disse hoje ao Pedrito: "Quando fazes um amigo, queres saber tudo sobre ele não é? É por isso que estamos aqui, para vos falar deste Amigo que vocês ainda não conhecem muito bem ".
No fim da missa cantavamos uma música que eu gosto muito, não só pelo que ela me faz lembrar (Taizé, a missão com as doroteias, os meus amigos do Porto etc)...mas também pela letra:
"Podes achar que não tens pra onde ir,
nem que fazer, não sabes bem quem és aqui
neste mundo tão grande e frio,
mas há qualquer coisa em ti, que faz querer
Querer ser alguém!
E a vida não vai parar
Vai como o vento!
TENS TUDO A DAR
NÃO PERCAS TEMPO!
Podes saber que vais chegar
Onde Deus te levar! "
E não sei porquê, acho que esta música descreve muito o papel que nós-animadores- temos ali dentro, que é um papel de os fazer descobrir que não há tempo a perder quando amamos, e quando queremos falar do que amamos.
Espero sinceramente ser um instrumento de Deus na vida destes rapazes e raparigas que eu tanto gosto... Se nos deixarmos guiar pelo plano de vida que Deus tem para nós, que é igual a: "Plano de felicidade" podemos ser realmente pessoas boas! Pessoas com algo para dar!
Um grande grande beijinho aos meus animandos, e claro aos meus queridos amigos animadores! :)
Mudaste? Mas como é que mudaste? Mudaste tanto!
Reconheces-te? Mas reconheces-te mesmo?
Quais são os teus valores agora? Como é que pensas agora?
O que te move agora? Onde estão os teus ideais? Onde está tudo o que eras?
Sentes-te bem? Sentes-te seguro? Sentes-te no caminho certo? Sentes-te uma boa pessoa?
Sentes-te uma pessoa amada? Sentes-te "Feliz"?
Tu escolhes?
...
Eu sinto...eu sou...eu tenho...eu penso...eu cresço...eu movo-me...eu reconheço-me...eu mudo...
...mas continuo a Rita, aquela de sempre...sabes? Aquela que sonha com um mundo melhor (Porque ele é possível!!! Eu sei com todas as forças que quando queremos muito mudar o que está mal, conseguimos. Isso não é ser infantil, é ser lutador!)
...realmente, já nem há tema...deixa lá.
Já não é importante....

Coisas que enchem a alma


...Um abraço apertado
...Um olhar profundo
...Um beijo que não se espera
...Ver um amigo de quem se sente a falta
...Um sorriso de gratidão
...Um "obrigado" sincero
...Um "Gosto muito de ti"
...Um "Sinto a tua falta"
...Um Deus que não nos deixa por muito que erremos
...Uma casa (seja ela o que for)
...Um chão
...Um telefonema de alguém que a vida afastou de nós
...Uma carta
...Uma surpresa no nossa aniversário
...Um simples estar
...Uma música que me faz lembrar um momento mais feliz
...Uma noite com umas guitarradas
...Uma oração à volta de uma fogueira
...Um novo amor...
...Um novo dia

Sorriiiiiiii

Ontem estava a caminho do CUMN, e ia muito distraida na rua (como sempre vou) e de repente apareceu-me um grande amigo meu que já não via há algum tempo, e do qual eu realmente sentia saudades...e sei lá...parece que a minha noite se iluminou... pedi-lhe um abraço; não sei realmente o porquê de tantas saudades, mas eu tinha-as...despedimo-nos com um "Gosto de ti sabias?", aquilo encheu-me o coração com um sorriso imenso e pôs-me um brilho nos olhos :) e fez-me pensar...como é fácil ser feliz, como é fácil ser-se feliz quando nos dizem um "Gosto de ti".
Obrigada a todos os que me fazem feliz :)
Coisas assim, fazem-me ter vontade de chegar ao pé de toda a gente que gosto e dizer: Gosto de ti! És importante para mim, obrigada por me fazeres sorrir, dá cá um abraço daqueles :)

Bora lá mostrar os dentinhos todos os dias :D

?

E lá vou eu começar outro ano...Depois de estar tanto tempo sem fazer nada custa sempre arrancar...mas...
afinal o que quero eu deste ano??? O que quero realmente realizar??? Onde quero estar? Com quem quero estar? Com quem quero construir? A quem dar a mão?/Com quem dar a mão? Onde quero chegar? De onde quero partir?


Quero partir do chão...Quando temos chão temos casa! Não importa onde estejamos...O chão permite-nos andar e subir ( e subir no sentido de avançar e construír). Sem dúvida que quero chegar e dizer: Cheguei, mas para chegar tive que ter vontade de partir (e às vezes dá cá uma preguiça). Onde quero chegar?

Tantas perguntas e tão poucas respostas...
Capacidade de criar relação...
Conversas (pro)fundas...
Deus...Oh, Deus, esse Deus que quanto mais O conheço mais tenho que conhecer, como se estivesse a escavar uma cova na areia, quero sempre ir mais fundo e mais fundo, e descobrir mais o que Ele tem para me dar...
Será que consigo mesmo cativar as pessoas pela minha maneira de viver? Pela forma de estar? Será que vou conseguir transmitir as coisas que já vivi aos meus animandos?

Se neste momento fizesse um auto-retrato, eu seria um grande ponto de interrogação!
Só para dizer num instantinho que é sempre bom receber um abraço e um sorriso. E melhor ainda é o CUMN abrir de novo, e ver que há sorrisos dirigidos para nós, como se tratassemos mesmo de uma família! :)
Gosto muito da minha familia Jesuíta :)

Cheguei!

Olá :)
Há quanto tempo! Cheguei! Cheguei há uns dias.
Eu sei...vocês não sabiam de mim há alguns meses. Andei a fazer uma grande viagem e...perdi-me por lugares muito frios, e escuros, que me fizeram ficar triste e com vontade de chorar. Estava tudo tão tristonho na minha vida que não me era possivel sorrir como antes...Andava escura por dentro e por fora, os caminhos eram dificeis, tropecei tanta vez! A maior parte das vezes magoei-me (a sério). De vez em quando lá vinha um raiozinho de sol que não me fazia desistir e me dava força para continuar...não podia ficar ali naquele desespero, tendo vocês todos aqui à minha espera! Não estaria a ser justa para vocês! Podem perguntar: Mas porque é que demoraste tanto tempo???; Pois...Quando soube que tinha de fazer esta viagem, fiquei sem mapa, sem mapa e sem bússula é díficil saber o rumo. Descobri que tinha que encontrar o caminho por mim mesma. Nunca estive sozinha, tive-vos sempre no coração, e o Amigo ao meu lado...e foi o que me valeu...aquelas vezes em que me lembrava do que vocês diziam: És mais forte do que pensas! Tu consegues! ;

Até que um dia, eu já me tinha esquecido do que era sorrir...e lá ao longe comecei a ver um lugar onde existia muito sol, e muitas flores. Era um lugar quentinho para o coração! E eu quis mesmo lá chegar, muito depressa!!! Tentei até correr...mas o desânimo tinha-me levado as forças, então mais uma vez, tive que ir ao ritmo que o meu corpo permitia... até que...

Cheguei! Finalmente cheguei! Estou tão contente por estar de volta...Se soubessem como foi díficil...mas ao mesmo tempo como cresci! E no meio do frio, houve sempre uma parte do meu coração, a parte mais dentro que me aquecia e movia a continuar!
Cheguei, e cheguei para ser feliz! :)



P.S. - Desculpem a demora, mas há viagens na vida, que têm mesmo que ser feitas. Já é menos uma que tenho a fazer :)

Um beijinho a todos, cheio de saudades!
Rita

O medo de errar

"Contam que certa vez duas moscas caíram num copo de leite. A primeira era forte e valente, assim logo ao cair nadou até à borda do copo, mas como a superfície era muito lisa e ela tinha as asas molhadas, não conseguiu sair. Acreditando que não havia saída a mosca desanimou, parou de nadar e afogou-se. A sua companheira de infortúnio, apesar de não ser tão forte, era tenaz, e por isso continuou a debater-se. Debateu-se por tanto tempo, que, aos poucos o leite, com tanta agitação formou um nódulo de manteiga, onde a mosca tenaz consegiu com muito esforço subir e dali levantar vôo para algum lugar seguro.
A mosca tenaz, por descuido ou acidente, novamente caiu noutro copo. Como já havia aprendido com a sua experiência anterior, começou a debater-se, na esperança de que, no devido tempo, se salvaria. Outra mosca passando por ali e vendo a aflição da companheira de espécie, pousou na beira do copo e griou: "Tem uma palhinha na borla, nada até lá e sobe por ela!"

A mosca tenaz não lhe deu ouvidos, baseando-se na sua experiência anterior de sucesso e continuou a debater-se, até que exausta afogou-se no copo "cheio de água!"
Muitos de nós, baseados em experiências anteriores, deixamos de notar as mudanças no ambiente e até mesmo nas pessoas. Esforçamo-nos para alcançar os resultados esperados até que nos afundamos na nossa própria falta de visão. Fazemos isto quando não conseguimos ouvir aquilo que quem está fora da situação, nos aponta como solução mais eficaz e, assim, perdemos a oportunidade de "reenquadrar " a nossa experiência e ficamos paralisados, presos aos velhos hábitos, com medo de errar.
"Reenquadrar" é permitir-se olhar a situação actual como se ela fosse inteiramente diferente de tudo o que já vivemos.
"Reenquadrar" é buscar ver através de novos ângulos, de forma a perceber que, fracasso ou sucesso, tudo pode ser encarado como uma aprendizagem. Desta forma, todo o medo se extingue e toda a experiência é como uma nova porta que pode levar-nos à energia que precisamos, à motivação de continuar em busca do que queremos, à auto-estima que nos sustenta.

(Re)nasceste

E finalmente chega o dia em que abres os braços, inspiras até ao fundo da alma, fechas os olhos e sentes o mar invadir-te o espírito...
Quando abres os olhos, sorris, como não sorrias há muito tempo... e enquanto fazes a tua dança reparas...

És feliz outra vez!
(Re)nasceste!

Agora sim, podes voar :)

Trrrrimmm triiiimmmm

Apareceu no visor do meu telemóvel: "Tânia - a chamar"...
Atendi, e do outro lado ouvi aquela voz que me é tão familiar dizer Oláaaa Rititi!! Tudo bem??? Era só para dizer que gosto muito de ti! ; fiquei um bocadinho sem falar, estava sem palavras, até que respondi: Olá Tânia! Obrigada, eu também gosto muito de ti! Então que me contas? ;
Nisto ela diz Nada de especial, era só mesmo para te dizer isto! , eu ri-me e disse Hmmm está bem, muito obrigada (que belas palavras Rita! mas caramba fui apanhada de surpresa )... Então e não era um grande telefonema se fosse só para dizer isto? replicou ela. Sim era...era e foi!
Como é que um gesto tão simples, pode encher tanto o coração???
É preciso termos coragem para avançar e admitir "Gosto de ti", "És importante para mim".
Realmente, amigos como os que eu tenho são raros! Parece que adivinham o momento em que estamos mesmo a precisar de uma atitude destas!
Obrigada por me fazeres sorrir amiga :)

(Obrigada a todos os que me têm surpreendido, e têm feito acreditar que todos os dias vale a pena sorrir com o coração)

Sábado...SORRI!


Um dos dias mais dificeis da minha vida, foi um dos ultimos Sábados de 2008. Foi um dia em que a minha vida mudou completamente e nunca mais foi a mesma. Foi o dia em que se deu origem a um grande periodo de desconsolo e sofrimento (e até mesmo a este blog).
Bem...como é hábito para mim, fui nesse dia à missa dos escuteiros. Só me dava vontade de chorar, estava incrédula a tudo o que se tinha passado...nem ouvi sequer uma palavra do que lá foi dito. Às tantas, entrou um menino que não devia ter mais que três anitos...Tinha uns grandes olhos castanhos, brilhantes e cheios de vida. Esse menino vinha de mão dada com a irmã, que devia ter cinco/seis anos. Passaram a missa toda a olhar para mim, e eu simplesmente sorria (como costumo fazer com os pequenitos) e eles retribuiam. No inicio estavam envergonhados, mas com o passar do tempo, conseguia ver cada vez mais os seus dentitos de leite.
Cada vez que eu olhava para eles, estavam à minha espera, à espera que sorrisse para eles, e assim ía sendo. Estivemos nesta troca de sorrisos até ao abraço da paz (aquela altura da missa em que toda a gente dá beijinhos), e para minha grande surpresa, a rapariga pega na mão do irmão e, cada um deles, com o dedito na boca aproximam-se devagarinho, com um olhar cúmplice ao meu. Põe-se em bicos de pés e tentam chegar-me à cara. Achei fantástico! Absolutamente fantástico! Conclusão, vieram os dois dar-me o abraço da paz!
Hoje, quando olho para trás, e penso nisto, vejo que Deus esteve ali em pleno naquelas duas crianças. A simplicidade de um sorriso mudou o meu mundo, naquele dia tão escuro. Por muitas coisas más que nos aconteçam durante o dia, um simples sorriso, uma pequena atitude pode mudar por completo a nossa maneira de ver as coisas. Tudo depende do peso que damos ao que nos constrói e ao que nos deita por terra.
Passados quase nove meses desse dia, vejo que aquele foi um sorriso de Deus para mim, um sorriso e um beijo! Foi como quem diz:"Rita, não te preocupes, Eu estou aqui! E não te vou deixar nem esquecer!"

Passados esses quase nove meses, voltei a ver esse menino, já mais crescido...talvez já tenha mais um anito...mas a primeira coisa que fez quando me viu foi olhar para mim e...SORRIR :)

Rita

Para ser feliz...


...Para ser feliz, tens que aprender a sorrir com o coração. Contentares-te com o pouco que tens, mas lutar por algo mais, não fazendo disso a tua única felicidade.
...Para ser feliz, tens que abrir a tua mochila, e tirar tudo o que a faz pesada e que te impede de continuar o teu caminho
...Para ser feliz, não podes vender a alma, porque é na alma que está tudo o que somos de bom
...Para ser feliz, tens que abdicar de querer tudo, seja de que maneira for
...Para ser feliz, há que dar espaço e tempo e confiar em quem nos é querido
...Para ser feliz, não chega sorrires e dizeres que está tudo bem, é preciso arranjares motivos para sorrir e para confirmar o que dizes
...Para ser feliz, também é preciso chorar, e chorar outra vez, e quantas mais forem precisas
...Para ser feliz, é preciso ter-se sido menos feliz
...Para ser feliz, é preciso querer ser feliz
...Para ser feliz, é necessário abdicares do que é superficial em ti para dares lugar ao que é profundo
...Para ser feliz, tens que respirar fundo várias vezes até encontrares as palavras certas
...Para ser feliz, não é preciso estares bem no momento, podes ser feliz mesmo em dias cinzentos, depende é de ti o peso que dá às coisas más
...Para ser feliz, o truque é pôr as mágoas do passado onde elas pertencem (ao passado!), e continuar em frente aberto a novas experiências e às coisas boas que as pessoas nos trazem !
...Para ser feliz, há que ter força para ir em frente e lutar pelas tuas convicções, há que partilhar umas boas gargalhadas com amigos
...Para ser feliz, tens que saber sentir o cheiro do vento e o barulho do mar na sua plenitude
...Para ser feliz, tens que ser capaz de abraçar o dia que começa e agradecer o dia que acaba
...Para ser feliz, um dia respiras fundo e sentes a tua alma renascer!


...Para ser feliz, não precisamos de muito :)

Rita

Pai...

...não tenho as palavras certas para Te dizer no silêncio deste encontro. Sinto-me cheio de coisas a mais dentro de mim que me impedem de Te ver tal como és.
Sei que o amor é comunicação, é estar comunicável muito para além do telemóvel ou do e-mail. É comunicável a partir do coração. Nem sempre soube que comunicar implica que eu também me parta, me desfaça e sirva o bem maior da humanidade sem queixumes mas com alegria interior.
Só este Amor é digno de Fé, foi também isso que os Apóstolos nos transmitiram por milhares de anos até hoje, tantas vezes com o próprio sangue. Também eu quero entregar-me assim, com esta convicção! Modela e remodela nas tuas mãos o barro que sou. Dá-lhe uma forma e, depois, se assim quiseres, desfá-la. Dá-me o Amor por excelência, o Amor da cruz. Não das cruzes heróicas, que poderiam aumentar a minha vaidade, mas cruzes vulgares que, no entanto, suporto com repugnância: aquelas que se encontram todos os dias: na contradição, no esquecimento, no fracasso, na obscuridade da morte ou no silêncio de um coração que bate.
Que eu possa ser o Amor, esse que nunca morre, que Te leve por dentro aos que mais sofrem, aos que pedem silenciosamente uma mão ou um abraço amigo, aos que completam no seu corpo o que faltava à tua paixão.
Senhor...que a esperança e a alegria continuem a habitar em nós como se fossem Estrelas.

A força das convicções


Hoje, mais do que nunca sinto que a vida é feita de capítulos e fases. Há fases melhores que outras, depois há fases que foram boas, que nos fizeram errar para que pudessemos crescer. Hoje, acabou a fase daquela relação que eu queria tanto que tivesse pernas para andar, mas que na realidade não tinha. Por vezes custa muito aceitar certas realidades em que teimamos que sejam mentiras felizes.
Hoje, resolvi aceitar a realidade como ela se apresenta, e talvez essa não fosse a minha vontade, mas aceitei que para poder avançar, o acordar para uma nova vida era o inevitável. Claro que para descobrir que tinha de viver outra vez, precisei de tempo ( e continuo a precisar), precisei de chorar. Mas foi esse tempo em que destruída me fui construindo, que melhorei a minha relação com Deus. Ele foi o meu abrigo nas horas em que a minha nova construção parecia demasiado complicada. Acho que quanto mais O descubro, mais O quro descobrir e estar com Ele, porque Ele dá-me Paz! Claro que, também me traz dúvidas para as quais ainda não tenho resposta, mas mais importante é a relação de amizade que vou tendo com este meu Amigo.
O que me custou mais neste tempo de (re)construção pessoal, foi parar para pensar em mim, no que realmente estou a viver, como tenho vindo a agir. O silêncio nestas alturas é muito mais perturbador que o barulho. Descobrimos coisas um pouco contra a nossa vontade! Descobri, que enquanto não nos afastarmos, não vamos ter espaço para ouvir Deus em nós. Ando em busca de mim. No capítulo que fechei da minha vida, vi que se em comum, não se partilha do mesmo ideal, é quase impossivel resultar. Se Deus é amor, e só um dos dois se deixa tocar por esse amor, é como que faltar uma peça do puzzle.
Todas estas decisões, demoraram o seu tempo, com muitas pedras no caminho e tempestades pelo meio, mas hoje eu sei que se Deus é Amor, e se eu me atrever a viver por Amor, nada tenho que temer! :) Porque foi nas alturas mais criticas da minha vida, que Jesus veio e me pegou ao colo.

Hoje, abri a porta, e do outro lado vi a sorrirem para mim, todas as minhas convicções... decidi ser FELIZ!

After Paul, 2009

Rita

Não perdi nada....


"E de novo acredito que nada do que e importante se perde verdadeiramente.
Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram.

Nao perdi nada, apenas a ilusao de que tudo podia ser meu para sempre."

"Olha pra mim
Deixa voar os sonhos
Deixa acalmar a tormenta
Senta-te um pouco aí
Olha pra mim
Fica no meu abrigo dorme no meu abraço
E conta comigo, que eu estarei aqui

Enquanto anoitece
Enquanto escurece
E os brilhos do mundo cintinlam em nós"

Tirei esta foto no Porto. E mal a tirei, fez-me lembrar esta música da Mafalda Veiga!
Só por acaso é a minha preferida :)

Obrigada!



Obrigada por todos os bocadinhos que estás comigo :)

Noite CC

Taizé 2009


Vim de Taizé na Segunda-Feira passada. Só hoje me acho capaz de descrever o que lá vivi, talvez porque em quatro dias a minha vida tenha dado muitas voltas, eu tenha tomado decisões definitivas. Hoje é o dia em que me sinto capaz de falar... Não é possivel descrever Taizé, é simplesmente rídiculo tentar! Penso que ninguém consegue, e a resposta será sempre a mesma: Só se fores é que entendes.
Eu já fui a Taizé três vezes, em três anos seguidos, mas nenhum ano me preencheu como este. Este foi um ano em que eu fui para lá para "me levantar" das quedas deste ano difícil que passou. Fui sem espectativas, e fui na esperança de me encontrar com uma velha amiga que já não via há muito tempo: EU!; Fui também na esperança de deixar crescer mais Deus em mim. Sendo assim, investi mais na relação comigo e com o Invisível, do que na relação com os outros, e o engraçado foi descobrir, que ao investir em dar-me bem comigo e com Deus, me dava mais e melhor aos outros. Quanto mais profundo desci à Rita que já não conhecia, mais vontade me deu de a trazer à tona e dizer "CHEGA!" ao que está pendente e errado na minha actual ex-vida. E foi lá, nessa semana curta demais, que fui capaz de arrumar as prateleiras e limpar o pó, tirar o que já não interessa e manter o que me faz feliz.
Nunca me custou tanto deixar aquele lugar...Aquele pedacinho de Céu.
Para além de trazer comigo a velha Rita, trouxe a bagagem cheia de força, de amigos, de nova vida :) mas sobre tudo de Deus. E tudo isto, não encontro em mais lado nenhum!

Deixa o mundo girar

"Está aqui, o meu telemóvel está farto de ficar branco! Por momentos não lhe consigo fazer nada! Apaga-se simplesmente! Por isso preciso mesmo que mo arranjem! Tirei-lhe o cartão de memória, não vai ser preciso pois não?", ele assentiu que não e que esperava que eu tivesse feito uma cópia de todas as coisas que considerava importantes porque eles iriam fazer uma formatação, iria perder tudo!

"Importantes" pensava eu. O que é para mim importante naquele telemovel? Na noite anterior não consegui gravar para o cartão as dezenas de mensagens que lá tinha e que eram "importantes", fiquei só com fotografias. Afinal que raio, o que me deixou apreensiva foi o ficar sem o telemovel, ou o apagar dezenas de histórias? Ficar sem mensagens antigas? (que me diziam muito), ficar sem mensagens que mudaram a minha vida de um momento para ou outro?

Mal sai da loja pensei: É melhor assim! Tu nunca teria coragem de as apagar, assim alguém fá-lo-à por mim.
Então senti-me fraca, por não me saber disfazer de certas coisas que me magoam. Senti-me fraca em arrastar pedaços de passado! Talvez sendo outras pessoas a fazê-lo custe menos, "Teve de ser"...mas...está na altura de fazeres por ti!

"Quantas vezes vais olhar para trás? Estás preso a um passado que pesou! Quantas vezes vais ser tu capaz de fazer sair, quem por engano entrou? Abre a tua porta não tenhas medo, tens o mundo inteiro à espera pra entrar"

Enquanto esperar que os outros abram a porta por mim, estou ainda presa à imaturidade.

"Estende a tua mão a quem vier por bem"

Rita

Cinco Cêntimos num tó(carro)

Há uns meses entrei num autocarro. Mal me sentei num dos bancos vi uma moeda caida no chão, naquela zona onde as pessoas normalmente vão em pé. Era apenas uma moeda de cinco cêntimos, mas caramba, às vezes cinco cêntimos dão algum jeito! Com a vergonha de me levantar para apanhar cinco cêntimos (a juntar-se com o que seria o rídiculo da situação), deixei-me estar e pensei "Quando chegar a minha vez de sair apanho-a!". A viagem continuou, cada pessoa que passava e que não reparava, era para mim um alívio! Faltavam apenas duas paragens para a minha saida, quando entra uma senhora a falar muito alto com a filha (falavam alto por natureza, não lhe estava a ralhar nem nada), quando no seu tom alto exclama: OLHA UMA MOEDA MARIANA!; Pimba! E apanha a MINHA moeda! Senti o meu ego ir a baixo: "Que parva Rita! Olha o que a tua vergonha fez!" "Oh por amor de Deus, eram só CINCO cêntimos!" "Mesmo assim às vezes dão jeito, principalmente quando tens 75 cêntimos, e queres comer o palmier coberto da Vasco da Gama que são 80!!" Enfim...tudo isto em segundos. Lá me conformei com os factos...A senhora continuava a falar bastante alto, mas os meus pensamentos fizeram com que a voz dela se fosse apagando. Toda esta situação me fez pensar nas oportunidades que temos na nossa vida e que não sabemos aproveitar! Quantas vezes perdemos alguém, ou alguma coisa importante para nós com o medo de tentar, de arriscar, por pensar no que os outros possam dizer??? Quantas vezes, por vergonha deixamos de agarrar aquilo que realmente vale a pena??? Tudo bem, eram só cinco cêntimos, mas podia ser algo mais importante, e EU era a culpada por ter deixado que a vergonha me tomasse!
Cada um responsável pela sua própria felicidade! Ninguém pode ser feliz por TI! Ninguém pode viver por TI! Tu é que fazes as tuas escolhas!

Rita


Há finalmente um dia em que acordas e te fartas...
Fartas-te de tudo o que tens chorado,
Fartas-te de toda a frustração que tens sentido!
Fartas-te do teu coração cheio de paixão que outrora ardeu
E que agora murchou porque não há mais nada.
E choras choras, mas enquanto choras vais sentindo alivio
E vês que uma pessoa é uma pessoa e talvez seja só mais uma que já não conheces
E que o mundo é mais complicado do que era antes
Agora que cresceste e saiste da tua inocência tudo doi mais.
Bateste mesmo a serio no fundo
Mas hoje já vais tendo um sorriso aberto
É isto que se chama ultrapassar
Foste ao longo do tempo pisando toda a dor que sentias
E rasgaste todas as perguntas que não têm resposta
Ocupaste horas a pensar em coisas sem sentido
Agora está na hora de recontruir das cinzas
Está mais que na hora de apagar o que passou
E começar do zero e contigo mesma!
Por mais que custe
Por mais que doa
E então...quando finalmente conseguires erguer a cabeça por completo
Aí sim,
Podes voar...

Rita Duque

SP - Quarteira 2009



Bem, acabo de chegar de mais uma experiência marcante na minha vida.
Estive a semana passada em Quarteira com as irmãs doroteias a fazer uma evangelização descarada na rua! Digo descarada, porque a Igreja Católica não tem este tipo de iniciativas (o que sinto que temos que ajudar a mudar). Tinhamos duas tendas montadas à beira da praia onde as pessoas podiam rezar. O que nós (grupo de jovens) faziamos era dar a "mensagem do dia" às pessoas que passavam na rua. Todos os dias tinhamos mensagens diferentes em suportes diferentes (Houve um dia em que demos um mini chinelo, outro demos uma flor, um conchinha, tudo isto acompanhado pela mensagem desse dia).
A maior parte das pessoas mostrou-se receptiva. O primeiro dia é o que custa mais, mas depois as pessoas começam a habituar-se a nós e muitas já vêm com as mãos estendidas, outras dizem: "Tenho guardado a mensagem de todos os dias", outras felicitam-nos pelo nosso trabalho e apesar de ter havido coisas muito duras de ouvir, é isso que vale a pena! Vale a pena ouvir: era mesmo disto que estava a precisar!; ou: Não imaginam a falta que andava a sentir de algo assim!; Isso sim, é muito gratificante, é isto que nos faz acreditar de que Deus vale a pena! E que valeu a pena acordar todos os dias às 7,para estar na praia às 8.15h para a oração da manhã a tocar viola com montes de dores nos dedos por não ter parado de tocar na noite anterior!
Foi o viver a missão com a ajuda DELE que fez com que fosse tão especial!
"Coisas pequenas mas feitas com muito amor"

Rita

P.S. - Obrigada à Ruth, que no último dia de missão nos deu penas caídas do seu papagaio, como forma de nos lembrarmos da alegria dela ao receber as mensagens :), obrigada ao Tito que nos tanto rir fez, obrigada ao senhor aviador e à senhor velhinha da covilhã, e claro à dona Otília que tanto nos acarinhou! Trazemo-vos no coração :)

Rita

Há dias que estou mesmo perdida
Vejo todos como sombras coloridas,
Felizes, com as pessoas que amam e que as amam a elas.
Vejo gentes a dar novos rumos
A descobrir novos mundos
E sinto-me presa demais
E solta demais
Sinto que sou pó,
Varrido das vidas de muitos,
Pequena demais para continuar presente.
É preciso espaço para criar,
Novos sorrisos, e cansaços até
Espaço para novas paixões...novas paixões
E novos sóis.
Estou cansada, e confusa
Estou sufocada.
Só queria poder ser fugir
Só queria saber voar...

Rita

Tudo tem o seu Tempo

"Para tudo há um momento e um tempo para cada coisa que se deseja debaixo do Céu.
Há tempo de nascer, e tempo para morrer
Tempo para plantar e tempo para arrancar o que se plantou,
Tempo para "matar" e tempo para curar
Tempo para destruír e tempo para edificar,
Tempo para chorar e tempo para rir,
Tempo para se lamentar e tempo para dançar,
Tempo para atirar pedras e tempo para as juntar,
Tempo para abraçar e tempo para evitar o abraço,
Tempo para procurar e tempo para atirar fora,
Tempo para rasgar e tempo para coser,
Tempo para calar e tempo para falar,
Tempo para amar e tempo para odiar,
Tempo para a guerra e tempo para a Paz."

Chegou o meu tempo de Paz!

Eclesiastes 3, 1-8

Paredes meias

Há momentos que me sinto muito muito pequenina e impotente
A vontade de agir é muita
Mas o medo também existe
Sinto falta dos abraços
Das canções
E das danças que existiam.
Passa o tempo
E vou-me conhecendo.
Vou tomando decisões.
Pensar nem sempre é fácil
Pensar custa,
Mas o que custa mais são as certezas
E depois de a certeza custar
Custa ainda, habituarmo-nos a ela.
Muita coisa nos faz andar para a frente,
O que nos move realmente?
O que nos prende?
Hoje sinto que o amor não é prender
É aprender.
É dando que se recebe mesmo nos dias mais escuros
Em que me vejo longe, muito longe do que fomos.
Muito muito longe de ti...

Saudade...
Saudade agora é tudo o que sinto nestes dias que atravesso...
Saudade de te conhecer
Saudade do que conhecia!

Rita

Porque

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner

Aborto

Um assunto tão polémico, tão badalado por toda a gente. A mim é das coisas que mais mexe comigo. Não sou nada de politiquices (quem me conhece sabe até que não percebo nada disso), mas quando se trata de fazer alguma coisa, eu seria a primeira. Sabem quando nasce aquela fúria miúdinha dentro de nós???
Sou uma pessoa que não suporta injustiças e humilhações. São coisas que me revoltam! Que mexem muito cá dentro. Não consigo ficar calada perante ambas. O Aborto é daquelas coisas que mexe bastante comigo. Para mim é tão obvio o meu lado. O meu lado é a Vida! Se fomos formados é para termos Vida!!! Não percebo a posição das pessoas quando dizem: vou abortar porque não me dá jeito ter "isto" agora!; É uma pessoa!!! Pequena mas é uma pessoa! VIDA! É o que existe na barriga daquela mãe. Há coisa mais maravilhosa? Duas vidas numa? Não há!
Não sou da opinião de que as mulheres devam ser penalizadas, mas ainda SOU MENOS DA OPINIÃO de que os bebés devem ser penalizados, e curiosamente, são as principais vítimas! Não se podem defender, são tão pequeninos, tão indefesos! Há sempre solução. A questão toda em torno do aborto trata-se de "Oportunidade". Sim! Oportunidade de deixarem viver! Toda a gente tem o direito à vida.
Defendo que abortar porque "não dá jeito ter agora o bebé" não é nenhuma solução. É um puro acto de egoísmo, isso sim! O próximo bebé que tenham não será o mesmo! Há muitas famílias que gostavam de ter filhos e não conseguem! Ao menos que pensem nisso...
Eu também podia ter sido abortada, também era daqueles bebés que "não davam jeito", mas a minha mãe escolheu dar-me a vida!( talvez por isso me sinta grata em poder viver) E digo-vos...apesar de todas as tristezas e mágoas que a vida tem, ainda bem que ela escolheu que eu vivesse! Cada vida é um Dom.
Tu também tens algo de útil a fazer na vida. Tudo passa por teres e por dares uma OPORTUNIDADE!

Rita


(Já agora, a mana Goreti uma vez mandou-me estes dois links, vale a pena perderem algum tempo com eles )
http://www.youtube.com/watch?v=rztaZbzPOro&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=NFPxE30nh8A&feature=related

Pessoas (im)perfeitas

Em especial para os meus queridos animandos :

Quando crescerem mais um bocadinho
Vão aprender que não há pessoas perfeitas
Nem amores que durem para sempre
Nem relacção que não sofra altos e baixos.
A desilusão vai fazendo parte da vida
Às vezes vem em alturas que não esperavam
Outras vezes parece que nada abala a vossa felicidade.
Não quero que vivam com medo,
Só quero que se vão apercebendo que a vida
Não é assim tão perfeita como vocês a pintam
E que muitas vezes os nossos sonhos vão morrendo
Porque às vezes dependem de pessoas
Que passaram e foram embora.
Mas nunca desistam de sonhar
Sonhem mais agarrados à realidade,
E sobretudo tentem ter sonhos que consigam realizar por vocês mesmos.
A nossa vida,
A nossa felicidade não deve depender de alguém
Cada um é responsável por se fazer feliz!

Rita

Pontos de interrogação

Como somos melhores?
O que nos torna melhores?
O que queremos nós fazer da nossa vida?
...
Somos melhores ao darmos o exemplo, ao sermos diferentes, ao não ser só mais um na corrente. Às vezes é muito complicado afirmar a nossa diferença. A difença está naquilo que deixamos aos outros quando passamos pelas vidas deles, no modo como nos entregámos, na maneira como abraçámos ou como sorrimos. Precisamos de arriscar para sermos felizes. "Cada um se torna eternamente responsável por aquilo que cativa".

Tantas pessoas que eu conheço que têm medo de pensar e tomar decisões, que não sabem o que querem para o futuro. "Carpe diem"! Para mim não há isso do Carpe Diem, não consigo viver sem ter certezas e sem saber o que serei amanhã, não é por isso que deixo de viver "o hoje". As pessoas que se agarram à filosofia do "Carpe Diem" normalmente vivem coladas ao presente e sem objectivos definidos, na sua alienação interior, talvez porque pensar custa, talvez porque tomar decisões seja muito dificil.
Sim, tomar decisões é difícil! Mudar é difícil! Qualquer mudança na nossa vida assusta. Eu também tenho medo... mas, o medo vai-se perdendo aos poucos e muitas vezes vemos que a nossa vida vai mudando (devagarinho) para melhor. O que é preciso é arriscar!

"Viver é arriscar-se a perder o pé por algum tempo, não viver é arriscar-se a perder a vida"

Rita

Sou egoista

Hoje o padre Carlos disse que nós somos egoístas, e ao sermos egoístas somos como crianças. Ao principio pensei: O quê? Crianças? Como pode ser? Então as crianças são aqueles seres tão pequeninos e verdadeiros. E realmente são! Mas sim, são egoístas, porque querem as pessoas todas só para elas. Exigem a atenção dos pais, dos avós, dos professores, dos irmãos...mandam no mundo delas ao quererem exclusividade na atenção.

Depois passamos à adolescência em que nascem aquelas paixões muito fortes, muito só nossas, e continuamos a querer a atenção das pessoas só para nós. Quando somos jovens, vamos aprendendo a lidar com a atenção, e a saber dividi-la. Queremos atenção mas já vamos sendo capazes de compreender que não pode ser exclusividade nossa.

Isto tudo fez-me pensar...O que é que eu sou?
Acho que hoje o padre Carlos estava a falar para mim. Sou uma pessoa que tenho muitas dificuldades em ouvir "nãos", hoje antes da missa tomei consciencia disso, e andava a pensar, até que lá cheguei e ele falou disso mesmo. Talvez ainda, apesar de jovem em idade, não tenha passado à adolescência sequer. O padre Carlos diz que isto nada tem a ver com maturidade ou idade. Também acho, penso que sou uma pessoa madura, no entanto ainda me falta crescer em certos pontos...assim como todos nós. Estamos a morrer e a crescer cada dia que passa.

Ainda sou criança, porque esta necessidade de ouvir "Sins" é muito grande. Custa-me engolir os "Nãos" que a vida me vai dando...É nisso que tenho que me moldar e aprender a crescer nesse sentido, para chegar à minha segunda adolescência. O truque para melhorarmos é irmos descobrindo onde de facto podemos melhorar, e eu sem dúvida que posso melhorar nisto! Custa sempre, porque nos contrariamos a nós mesmos, mas é um amadurecimento necessário. Passa também por aprender a lidar com as frustrações.

E tu? Ainda te sentes criança?

Rita

Aos que me são queridos
















Bem, cheguei a casa agora de mais uma festa familiar. Como é bom ter familia! Como é bom pertencer a esta familia!
Há pessoas que não são de sangue, mas são nossos amigos há anos e nunca deixaram de estar presentes (é bom ter amigos daqueles que nos cortam as unhas mal saimos da barriga das nossas mães). Estou a falar da Filomena e do Manel, a minha mana Filipa, claro que está no Algarve a aproveitar os dias com o João, que em breve entrará para a familia também :) Como o tempo passou...ainda outro dia eu passava os Verões em casa dela, e brincavamos às irmãs que andavam ocupadissimas no seu consultorio :) Bons tempos! Uma vez, com a pressa de ir para a piscina deixámos as chaves de casa e as do carro, por dentro da porta...lá tivemos nós que subir até à maternidade Bissaya Barreto até chegar à Filomena (num dia de 40º), nesse dia a Filipa do alto dos seus 12 anos disse: Nunca mais vou ter pressa na vida!!! (como estava irritada)...Enfim...Coisas que se lembram e que nos estampam um sorriso no rosto quando as recordamos.
Não há melhor familia do que a minha! Não há mesmo...sem intrigas. É sempre uma grande paródia, falam a sério quando é preciso, mas passamos a maior parte do tempo a rir-mo-nos uns dos outros. Cada um é importante. Na familia ninguém é deixado para trás!

Avós: São simplesmente espectaculares, o que era de mim sem vocês?? Não há pessoas mais disponível para mim! Muito obrigada pela paciência.
Mãe: Nem sempre te trato como mereces, és a melhor mãe do mundo! És tu que nos apoias!
Pai: Nem sempre estamos juntos, mas és muito importante para mim.
Mano: Não vivia sem ti! Morro sempre de saudades tuas!
Tios: São os melhores tios que eu podia pedir!
Primos: Serão sempre os meus cachopos, é um orgulho ver-vos crescer!
Manel, Filomena e Filipa: São da familia, não há ninguem que vos substitua! Nunca viverei o que vivi connvosco!

À minha família de sangue ( e de laços): Amo-vos muito!!!

Rita

Do fundo do coração...

Perdoa-me Senhor, às vezes esqueço que daí olhas por nós
E não me lembro de parar e ouvir-Te a voz
Ando num mundo em que não sinto
Em que me escondo e em que minto
Fico menor

Perdoa-me Senhor, eu tenho tanto que já nem sei dar valor
Às vezes esqueço que há quem viva bem pior
Se eu em vez de me lamentar
Visse o tanto que há pra dar
Era melhor

Ajuda-me Senhor, a ver a esperança quando à volta tudo é dorA ganhar força e a voltar a acreditar
Eu já perdi a confiança
Já não sou mais uma criança
Não sei sonhar

Perdoa-me Senhor, por fechar a minha mão
Sem a estender, Por não lembrar que devo dar sem receber
Em vez de sim Te digo não
Por isso peço o Te perdão
Senhor

Desabafos...

Não percebo o mundo.
Cada vez mais, acho que não sou de cá...Não percebo atitudes de certas pessoas, umas nem conheço (mas também não quero obrigada), outras conheço mas são tão diferentes do que eram que já nem sei.
Parece que as pessoas em vez de crescerem, decrescem. Mentalmente claro! Andam para trás, tornam-se mais fúteis, mais superficiais, mais ocas, esquecem-se do que alguma vez viveram.
Hoje em dia acho que há raparigas que fazem figuras ridiculas perante o mundo masculino. Não há valores. Raparigas que comentam tudo e mais alguma coisa, de todo e qualquer rapaz, comentários que só levam a Sexo. Geração rasca, nós jovens? Não! Mas há pessoas que fazem com que os mais velhos generalizem e nos considerem a nós- jovens com objectivos- geração rasca!
Nos nossos dias acho que o que existe principalmente é exagero. Tudo é "perfeito", diz-se muitas vezes "és tão perfeito", "amo-te demais", "que perfeição", "és minha/meu", "amor" "amor" "amor", amor para aqui e para ali, está tudo muito cheio de amor, mas será que é mesmo Amor? Não me parece, as pessoas vulgarizaram a palavra e talvez o sentimento. As pessoas precisam de crescer e dar mais valor ao que realmente importa, que é a construção saudável de relações, mas disso ninguém quer saber. Confiança é a base de tudo, com estas mentalidades novas, estamos a afastar-nos do essencial.
Porque é que as coisas não mudam para melhor? Porque ninguém se esforça!

Rita

Gravidez na Adolescência


Aqui está o resultado de um trabalho de meses que foi aceite! :)
Um cartaz sobre a gravidez na adolescência, que me queimou muitos neurónios e horas de trabalho! Andei desde Abril a tentar definir o conceito, o mais dificil foi arranjar o Slogan. Tinha que relacionar o facto dos sapatos serem muito grandes para os pés da rapariga (que ainda é muito nova).
Espero que gostem ;)

Rita

Antes da escuridão



Nem há comentários a fazer, a Mafalda diz tudo :)

4 de Junho, Quinta-Feira

Muitas vezes torna-se dificil sentir a presença de Deus na minha vida, neste dia senti-O! Sinto que vou crescendo, e tenho crescido muito nos últimos tempos (apesar do medo muitas vezes parecer condicionar as minhas atitudes), olho para trás e penso: como é que podia pensar daquela maneira? Mas faz tudo parte. Os dias de tristeza ainda existem muito, mas vão sendo menos, a minha alegria está a voltar. Sinto-me seca para uns, mas cheia de vida para outros. O dificil está em encontrar o equilibrio. Tenho que me dar para que se possam dar a mim também! E sei que aos poucos hei-de atingir a minha estabilidade emocional, vou recuperando, mas as feridas ficam sempre. E ficarão.
Hoje encontrei pessoas que podiam ter sido a minha familia, e gosto bastante delas, senti-me bem, senti-me acolhida. Talvez me tenham deixado mágoa e saudades, mas também me ajudaram a levantar-me mais um bocadinho. E é mesmo esta a luta...a luta de nos levantarmos do passado é diária. Sim, quando pensamos em certas coisas sentimos um baque e dói, dói muito, mas aos poucos sentimos que vao estando menos carregadas no nosso coração.
Uma vez num acantonamento lemos um texto que dizia que Deus escrevia os nossos pecados na areia, para vir o vento e os ir apagando. Enquanto que nós, homens, escrevemos os pecados dos outros nas pedras para que fiquem bem marcados. O truque de viver, está em tentar escrever o que nos magoa na areia, tal como Ele faz. E se calhar é mesmo esse o nosso grande desafio todos os dias, para que possamos perdoar e sairmos menos magoados...
É tudo o que quero dizer!
Rita

Perfeito Vazio

Aqui estou eu, sou uma folha de papel vazia
Pequenas coisas, pequenos pontos
Vão-me mostrando o caminho
Às vezes aqui faz frio, às vezes eu fico imóvel
Pairando no vazio
Às vezes aqui faz frio.
Sei que me esperas
Não sei se vou lá chegar
Tenho coisas pra fazer
Tenho vidas para acompanhar
Às vezes lá faz mais frio
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no vazio
No perfeito vazio...
Bem.vindos à minha casa
Ao meu lar mais profundo
De onde eu saio por vezes
Para conquistar o mundo
Às vezes tu tens mais frio!
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no vazio
No perfeito vazio...
No teu peito vazio

Xutos e Pontapés


Sim, às vezes faz bastante frio na nossa alma, há dias que está que nem um lago gelado, mas há sempre um raiozinho de sol a tentar romper a dureza do gelo. Há dias em que temos medo de nos dar e conquistar o mundo, talvez por preguiça, por acharmos que está tudo bem, ou que a culpa de as coisas andarem mal não é nossa. Se calhar provocamos situações e habituámo-nos a elas e queremos descartar as culpas para outros. Também eu fico imóvel com certas coisas que pessoas me dizem, ou por serem tão chocantemente boas, ou por serem tão chocantemente falsas e más. Infelizmente fico mais vezes chocada por coisas más, e sim "Faz frio".
"Tenho coisas para fazer, tenho vidas para acompanhar", pois é, o comboio da vida não pára, o que passou já passou e não volta, "O que foi não torna a ser"...É a nostalgia da infância que nos vai invadindo :)

Ó tempo volta atrás!

Rita

CUMN



Tanto que eu falo do CUMN, aqui fica um cheirinho :)

Não digas que não podes! Porque tu PODES!



Este para mim é um dos maiores exemplos do que é LUTAR! Sem desistir!
Este homem podia dizer: Deus não existe, porque se existisse ter-me-ia dado braços! Mas não! Considera-se um homem de sorte!
Se Tony Melendez faz tanto só com os pés, o que não podemos fazer nós com as mãos?
Fica no ar a pergunta!
Vale a pena ver!

Rita

Será sempre um olhar

Todo o lado
Tudo é...Uma recordação de ti,
Tudo me lembra o tempo, a vida
E os sonhos que vivi,
Numa sede de viver,
Na esperança de encontrar
Um doce eterno olhar capaz de amar
E de me fazer sonhar

Eu dava tudo pra te ter aqui
Mas eu bem sei que o tempo não vai voltar
E tudo o que vivi
Também sofri,
Será sempre um Olhar

...

Pedro Miguéis

Quarta-Feira

Gostava de me sentar com Jesus numa mesa de uma esplanada qualquer e perguntar-lhe porque é que certas coisas nos acontecem. Certamente Ele iria responder-me daquela Sua forma tão característica, como respondia a todos os que com Ele tiveram o privilégio de falar.
Tudo o que me fez sofrer, até agora, teve um objectivo e noto que esse objectivo era mudar a minha vida para melhor. Claro que não notamos logo, mas passado um tempo, quando a poeira assenta as coisas estão mais fáceis. Só que..há outras coisas que não entendo ainda em que tornaram a minha vida, quanto mais em que é que a tornaram melhor...acho que ainda não chegou o tempo de as entender, nós é que somos pessoas sem paciência para esperar. Há que dar tempo ao tempo para ele nos mostrar que realmente nos ajuda a aceitar certas coisas que acontecem na nossa vida.
Chegou finalmente o meu bocadinho fora do mundo, desta semana. Cheguei bastante cedo, com medo de chegar atrasada, por isso vim aqui para a varanda do Justiça e Paz. Paz é mesmo o que sinto nesta varanda que olha sobre Coimbra. A seguir então vou para a missa do CUMN, de certeza que vou gostar (como sempre). Tem-me ajudado tanto a pensar na minha vida...fico longe do mundo, tal como eu Taizé (um dia falo-vos sobre Taizé). Fico longe do ruído que existe aqui na esplanada e longe do ruído do meu coração.
A vida está a passar muito depressa, sinto que não a estou a aproveitar em plenitude, por tantos ruídos que existem em mim.

Amanhã a Catarina faz exame de condução! Vou rezar para que ela passe!
Ando tão cansada e amanhã já sai outro trabalho de programação, espero conseguir fazê-lo!
Bahhh
Preciso de Férias!!!!

Rita

Tempos de mudança

Tudo muda, tudo parte! Mas nem tudo o que parte se volta a colar.

É verdade! Há desilusões enormes na nossa vida, coisas que nunca esperavamos que nos acontecessem.
Estou desiludida com pessoas que me foram muito. Estou mesmo! E estou triste com a partida de pessoas... Tenho pena de muita gente não se esforçar por mim como me esforço por elas, mas as relações são assim mesmo, há sempre um a dar mais. Mas chegamos a um ponto em que ficamos exaustos. Aprendi uma coisa, não vale a pena lutar por algo que não tem pernas para andar. Custa muito sim! Muito muito...O medo é tão forte às vezes. Eu tenho muito medo! Ás vezes eram precisos grandes sopros de mudança, visões de outros ângulos, opiniões de outras pessoas. Muitas vezes temos que pensar bem no que estamos a perder, e se não queremos perder para sempre temos que agir rápido!

Hoje tive muitas saudades do meu secundário...da minha Tânia, da minha Catarina, do meu Rui Agnelo...tenho saudades deles, da cumplicidade que construimos e dos tempos que vivemos. Tenho saudades das minhas aulas de desenho à Quarta de manhã, em que cantavamos com o Miguel e aprendiamos a desenhar a sério com o professor Valdemar!
Parece que foi à tanto tempo...

As coisas boas que tenho agora são outras, e são completamente diferentes das do inicio do ano...O CUMN tem-me ajudado a sentir-me em casa, e só Deus me tem preenchido nas piores horas. Os avós são Deus disfarçado, de certeza!

O mano faz hoje anos! Está tão crescido...



Rita

Tira a mão do queixo

"Tira a mão do queixo, não penses mais nisso, o que lá vai já deu o que tinha a dar, quem ganhou ganhou usou-se disso, quem perdeu há-de ter mais cartas pra dar...enquanto houver estrada pra andar a gente vai continuar, enquanto houver estrada pra andar"

Gosto muito desta música do Jorge Palma, faz-me lembrar certas coisas da minha vida. Faz-me lembrar a Magda! Tantas vezes que temos a mão no queixo enquanto a outra remexe com a colher os restos de café na chávena, e aí pensamos na vida...e lamentamo-nos de tanta coisa. Ás vezes são tantas as coisas das quais nos lamentamos que nem pensamos nas boas que temos. Há promessas que não se fazem nunca! Porque simplesmente não podem ser prometidas, "a dependência é uma besta dá cabo do desejo e a liberdade é uma maluca que sabe quanto vale um beijo"...ai a liberdade. Tenho saudades da liberdade, "Quantas vezes vais olhar pra tras, estás preso a um passado que pesou?", sim, há passados que pesam de tão ricos em coisas más que foram, outros que pesam porque foram ricos de coisas boas. O meu tem as duas, como os de toda a gente. São raras as coisas fáceis e muitas as dificeis. Mas conseguimos superar as más! Por isso o caminho é em frente!

"Tira a mão do queixo, não penses mais nisso..."

Rita

Gente perdida

Eu fui entrando pouco a pouco
Abri a porta e vi
que havia lume aceso e um lugar pra mim
Quase me assuta descobrir que foi este sabor
Que a vida inteira procurei
Entre a paixão e a dor

Lá fora o vento
Nem sempre sabe a liberdade
Gente perdida balança entre o sonho e a verdade
Foge ao vazio,
Enquanto brinda dança e ri
Eu trago-te comigo, e guardo este abraço só para ti!!!

Mafalda Veiga

Crescer


Hoje disse para o meu André:
- A prima está tão velha, qualquer dia já pode trabalhar! :/ Se calhar tu já querias ser grande, eu queria ser pequena!;
E ele do alto dos seus 8 anitos disse:
-Iiih! Estás mesmo! Eu não! Eu queria ser mais pequeno!
Achei tão engraçado, como é que uma criança de oito anos já tem saudades de ser mais nova ainda!
Muitas vezes dou por mim a desejar chegar ao meu quarto e ter a cara mais próxima do interrupetor, hoje em dia tenho mais as ancas do que a cara! Tenho saudades de entrar no meu quarto e ver a minha antiga cama do lado esquerdo com a colcha cor-de-rosa e amarela dos hipópotamos. O meu mano tinha uma igual em azul, eram tão giras! Agora estão na Tocha. Quando esta colcha era usada ainda existia uma mesinha de cabeceira cheia de bonequinhos de barro, e claro! O anjinho que os avós me deram (esse sempre fez e fará parte da decoração!). Do lado direito havia aquela secretária improvisada, cheia de tralha (tanto da escola como não) que estava sempre suja com aparas verdes de borracha (sinal que estudava ali! Ou não...desenhava ali!). Haviam os enumeros espanta-espíritos (que ainda hoje existem), e a comóda das gavetas que abriam mal (hoje é o mano que a tem ehehe).
Houve um dia em que chegou a minha casa um estúdio, desenhado pelo meu pai. As gavetas eram (e são!) azuis. Fiquei radiante! Um quarto novo! E para tudo ficar mais bonito mandei vir uma colcha com golfinhos (Adeus hipopotamos, agora sou grande, nada de colchas cor-de-rosa!). A partir daí o meu quarto virou o Oceanário. Era só coisas de golfinhos! Até um poster de golfinhos eu tinha na parede!
Então como tinha o estúdio, deixei de ter mesinha de cabeceira! Há uns tempos, fartei-me dos golfinhos (estiveram cá a minha adolescencia toda!) e resolvi mudar para uma colcha branca lisa. Também mudei as cortinas, o tapete, já não há poster, nem candeeiros em forma de barco!
O poster deu lugar e milhentas fotografias de pessoas importantes. As paredes estão revestidas com desenhos, folhas com frases parvas, recordações...

Tudo isto para dizer...todas as épocas que vivemos são importantes! E influenciamo-las consoante o nosso mundo! Dá saudade deixar de ser criança, (e recentemente) deixar de ser adolescente. Provavelmente a proxima vez que mudar o meu quarto, vai ser quando sair de casa. É assustador pensar que em poucos anos vou ter a minha própria casa, o meu trabalho, as minhas contas...e que vou "deixar" a minha familia, e este quarto que é um espaço tão meu!

Crescer custa! Crescer custa muito!

Rita

Vai onde te leva o coração!




"Sabes qual é o erro que cometemos sempre? Acreditar que a vida é imutável, que, mal escolhemos um carril, temos de o seguir até ao fim. Tem cuidado contigo. Sempre que à medida que fores crescendo, tiveres vontade de converter as coisas erradas em certas, lembra-te que a primeira revolução a fazer é dentro de nós próprios, a primeira e a mais importante. E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não te metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraía, espera e volta a esperar.
Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai onde ele te levar..."


Susanna Tamaro

No meu coração . Rosa de Saron

"Que amar é se dar pelo outroUm sentimento ágape envolto"

Regras da sensatez . Rui Veloso

Nunca voltes ao lugar~
Onde já foste feliz
Por muito que o coração diga
Não faças o que ele diz
Nunca mais voltes à casa
Onde ardeste de paixão
Só encontrarás erva rasa
Por entre as lajes do chão
Nada do que por lá vires
Será como no passado
Não queiras reacender
Um lume já apagado
São as regras da sensatez
Vais sair a dizer que desta é de vez
Por grande a tentação
Que te crie a saudade
Não mates a recordação
Que lembra a felicidade
Nunca voltes ao lugar
Onde o arco-íris se pôs
Só encontrarás a cinza
Que dá na garganta nós
São as regras da sensatez
Vais sair a dizer que desta é de vez

Amor

Só queria escrever um poema bonito sobre o Amor...
Mas há tantos tipos de amor...
Será que já os senti a todos?
Não precisava de ser um poema a rimar, com grandes palavras
O amor não é feito de grandes palavras
Aliás, até é feito de palavras bem simples
Completas, pequenas, e cheias de significado!
Para escrevermos sobre alguma coisa é preciso saber dela, não é?
Bem...eu acho que sei mais ou menos o que é o Amor
Ou por outra,
Sei o que são os Amor!
Sim, os Amor...
Porque há muitos tipos de amor, e se dissesse que conhecia vários amores dava a entender que conhecia várias paixões, e sim, tenho as minhas paixões...
Mas, paixões não são sinónimas de amor!
Paixão é muito "quente", "agarrada"
O amor é liberdade, dedicação, respeito, confiança, entrega e desilusão também...
Acredito em Paixão à primeira vista, aquelas "borboletinhas" no estômago.
Amor não há à primeira vista, o Amor constrói-se, devagarinho, e tem que ser vivido a dois, cada um tem que aos poucos ir destruindo as suas barreiras, os seus vicios. Tem que dar de si mesmo para enriquecer o outro.
Acho então que posso falar sobre o Amor...
O Amor preenche-nos de tal forma que nos envolve num misto de sensações,
O Amor abraça-nos bem, de tal forma que quando nos abraça não nos larga facilmente (às vezes não nos larga nunca)...
Eu tenho muitos Amor, muita gente me deu amor ao longo da minha vida, e é engraçado, porque são todos Amor, de formas diferentes.
Uns tiveram muita facilidade em dizer: Eu amo-te!
Outros preferiram discutir, estando por trás o enorme amor que têm por mim, talvez porque não o saibam demonstrar de outra forma.
Depois há Aquele que já me amava mesmo antes de eu existir, e continua a amar por muito que eu erre!
Encontrei uma pessoa que me amou e me preencheu muito muito muito, e é duro estar longe dela.
Desde sempre um dos meus maiores Amor foi o de duas pessoas incondicionais na minha vida, sem os quais não vivo: Os meus queridos avós, sou muito do que sou pelo amor que me tiveram desde sempre, desde o inicio! Também os amo muito muito!

Só quem já sentiu o que é ser amado pode falar de Amor!
E tu? Achas que podes?


Rita