Histórias de um autocarro


Acho que somos muito ingratos com tudo o que somos e temos.

Cá vai mais uma história no autocarro...

Lá ia com a minha música a pensar nos meus "problemas" e a queixar-me interiormente de uma série de coisas a que não tenho estado atenta, quando entra uma pessoa que se senta à minha frente. Não sei dizer se era homem ou mulher, sei apenas que tinha uma deficiência que não era trissomia 21 nem outra que eu conheça.

Esta pessoa, vinha acompanhada de uma senhora dos seus 50 e picos. Talvez fosse irmã (?) ...

Tornou-se muito duro para mim estar a ouvir músicas alegres, quando estava uma pessoa assim à minha frente, então tirei os phones doss ouvidos. Eu quis-lhe dar toda a atenção, olhá-la e percebê-la.

Aquela pessoa era tão pequenina, tinha um aspecto já de alguma idade, mas o que me fez mais confusão no meio de tudo é que no seu dedo anelar esquerdo trazia uma aliança.

Bem, talvez a senhora por quem se fazia acompanhar fosse sua mulher, e esta pessoa fosse um homem...talvez tivesse ficado com esta deficiência num acidente....mas não parecia nada!

Chegou a minha paragem, e eu saí. Foram 5 minutos muito duros, muito confusos e isso reflectiu-se no meu caminho, e levou-me para um mundo que realmente não temos noção que existe. Que é o mundo das pessoas com deficiências físicas, deficiências mentais, anomalias... eu tenho tudo, eu posso conseguir tudo! E os meus problemas ao pé de casos assim são leves penas. Todos estes trabalhos de que me queixo são uma benção, é sinal que estou a conseguir chegar mais longe, por mim!

Há tanta discriminação racial, física, psicológica, xenofobica... e nós que podemos fazer tudo normalmente sem ser olhados de lado, não sabemos reconhecer nem agradecer o completos que somos.

Esta pessoa ficou-me no coração...e muito....

2 comentários:

Mafalda Santos disse...

Que história bonita.
Não sabia que tinhas um blogue querida*

Rita disse...

Sim, tenho um blogue já ha bastante tempo :)
Obrigada!

beijinho Mafalda!